O Estatuto do Caso Ergativo em Línguas do tronco Linguístico Macro-Jê: uma Abordagem Formal

Biblioteca Digital - UFMG

O Estatuto do Caso Ergativo em Línguas do tronco Linguístico Macro-Jê: uma Abordagem Formal

Show full item record

Title: O Estatuto do Caso Ergativo em Línguas do tronco Linguístico Macro-Jê: uma Abordagem Formal
Author: Isadora Maria de Barcelos Silva
Orientador: Fabio Bonfim Duarte
Banca:
Presidente: Fabio Bonfim Duarte
Membro: Marília Lopes da Costa Facó Soares; Carlo Sandro de Oliveira Campos
Suplente: Jania Martins Ramos
Subject: Índios Línguas Teses.; Fonética Teses.; Indios da America do Sul Brasil Teses.; Índios da América do Sul Línguas Teses.; Língua apinaye Gramática Teses.; Língua maxakali Gramática Teses.
Palavra-chave: Línguas do tronco Macro-Jê; Caso ergativo; concha v-VP; verbo leve; adposições funcionais; Caso oblíquo; papel temático
Date: 31-08-2010
Publisher: UFMG
Abstract: Este trabalho tem como objetivo analisar o mecanismo de valoração do Caso ergativo dos argumentos que, em línguas do tronco Lingüístico Macro-Jê, aparecem acompanhados da posposição tE. Diferentemente da proposta de Woolford (1997, 2006), que assume que o Caso ergativo é valorado, inerentemente, em associação com a projeção argumental e com a atribuição de papel temático de agente, defenderemos a hipótese de que, em línguas Jê, o Caso ergativo é valorado estruturalmente pela posposição funcional tE inserida na derivação apenas para atribuir Caso (oblíquo) aos sujeitos, que recebem do núcleo vº o papel temático de agente. No intuito de descrever a estrutura argumental das orações que acionam tE, bem como compreender em qual posição estrutural os DPs por ela marcados são licenciados, estudaremos as construções causativas morfológicas do Apinajé, Apãniekrá e Ramkokamekrá,em que observamos a afixação de um morfema causativo à raiz verbal como estratégia para a causativização. Consoante a teoria de Hale & Keyser (1993, 2002) proporemos que tal morfema representa a matriz fonológica de um verbo leve (vº), cuja característica é introduzir na derivação um argumento agente. Esse fenômeno, além de constituir evidência a favor de um VP bipartido, nos permitirá concluir que os DPs marcados por tE são projetados na posição de especificador de vP. Em busca de nossos objetivos analisaremos dados das línguas Apinajé, Apãniekrá, Ramkokamekrá, Krikatí, Xavante e Maxacalí.
Resumo em lingue estrangeira: This research aims to analyze the mechanisms of Ergative Case licensing to arguments that are marked with the postposition tE, in languages that belong to the Macro-Jê stock. Unlike Woolfords assumption (1997, 2006) that the ergative Case is inherently associated with the agent theta position, we will propose that in languages from the Macro-Jê stock, the .rgative Case is structurally licensed by the functional postposition tE which is introduced in the derivation only to assign oblique Case to the subject, since agent theta role has already been assigned by head vº. In order to describe the argument structure ofergative constructions with tE, and to understand in which structural position the DPs marked by tE are located, we will study Apinajé, Apãniekrá and Ramkokamekrá morphological causative constructions. Those constructions utilize a causative morpheme as a strategy to express causation. According to Hale & Keysers (1993, 2002) theory, this causative morpheme corresponds to the phonological matrix of a light verb (v°), which is responsible to project the agent arguments. This phenomenon provides evidence for a bipartite v-VP, and,furthermore, allows us to conclude that the argument marked with thepostposition tE is projected as SPEC-vP. To achieve our objectives we will examine data from Apinajé, Apãniekrá, Ramkokamekrá, Krikati, Xavante and Maxacalí languages.
URI: http://hdl.handle.net/1843/ALDR-896JBS

Files in this item

Files Size Format View
1351m.pdf 1.500Mb PDF View/Open

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record