A relação sujeito-objeto na Estética de Georg Lukács: reformulação e desfecho de um projeto interrompido

Biblioteca Digital - UFMG

A relação sujeito-objeto na Estética de Georg Lukács: reformulação e desfecho de um projeto interrompido

Show full item record

Title: A relação sujeito-objeto na Estética de Georg Lukács: reformulação e desfecho de um projeto interrompido
Author: Rainer Camara Patriota
Orientador: Ester Vaisman
Banca:
Presidente: Ester Vaisman
Membro: Eduardo Soares Neves Silva; Miguel Vedda; Carlos Eduardo Jordão Machado; Imaculada Kangussu
Subject: Lukacs, Gyorgy, Estética.; Hegel, Georg Wilhelm Friedrich, 1770-1831.; Filosofia Teses.; Estetica Teses.; Filosofia marxista Teses.
Palavra-chave: Lukács; Estética; Neokantismo; Marxismo; Hegel; Relação sujeito-objeto
Date: 25-03-2010
Publisher: UFMG
Abstract: Discernir e expor o núcleo categorial da estética de maturidade do filósofo húngaro Georg Lukács é o objetivo do presente trabalho. Objetivo que, conforme se mostra aqui, implica no resgate da obra de juventude do autor, em particular, de seus manuscritos inacabados deestética produzidos em Heidelberg entre 1912-1918. Neste sentido, a estética marxista é entendida e examinada como reformulação e desfecho do projeto interrompido de Heidelberg, pois, em ambas, o centro categorial é a determinação da autonomia da arte enquanto sujeito-objeto idêntico. No entanto, se na primeira estética Lukács tentatransplantar o princípio hegeliano para o contexto da filosofia transcendental do neokantismo (sob influência decisiva de Lask), na segunda estética, este transplante é conduzido sob bases materialistas (Marx), em razão do que, contrariamente ao dualismo transcendental sustentado no passado, são estabelecidas relações genéticas e interativas entre o plano da vida cotidiana (empírica) e o plano (normativo) da arte.
Resumo em lingue estrangeira: The aim of this paper is to identify and show the categorical center of the Hungarian philosopher Georg Lukács´ late Aesthetic. For such purpose, will be recover his early work, especially, his unfinished manuscript of aesthetics written in Heidelberg at the period of 1912-1918. The Marxist Aesthetics is seen and inquired at as a reformulation andconclusion of the interrupted Heidelberg project. In fact, both aesthetics try to determine the autonomy of art as a kind of a subject-object identity. But if in the former Lukács searches to transplant this Hegelian principle to the context of the neo-Kantian philosophy (strongly influenced by Lask), in the latter the transplantation is accomplished on materialistic ground (Marx) against the transcendental dualism of the past. As a result,genetics and interactive relations are produced between the realm of daily life and the normative realm of art.
URI: http://hdl.handle.net/1843/ARBZ-85KH2Z

Files in this item

Files Size Format View
tese_rainer.pdf 1.390Mb PDF View/Open

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record