Caracterização do Complexo Pocrane, magmatismo básico mesoproterozóico e unidades neoproterozóicas do Sistema Araçuaí Ribeira, com ênfase em geocronologia U Pb (SHRIMP e LA ICP MS)

Biblioteca Digital - UFMG

Caracterização do Complexo Pocrane, magmatismo básico mesoproterozóico e unidades neoproterozóicas do Sistema Araçuaí Ribeira, com ênfase em geocronologia U Pb (SHRIMP e LA ICP MS)

Show full item record

Title: Caracterização do Complexo Pocrane, magmatismo básico mesoproterozóico e unidades neoproterozóicas do Sistema Araçuaí Ribeira, com ênfase em geocronologia U Pb (SHRIMP e LA ICP MS)
Author: Tiago Amancio Novo
Orientador: Antonio Carlos Pedrosa Soares
Co-orientador: Ivo Antonio Dussin
Banca:
Presidente: Antonio Carlos Pedrosa Soares
Membro: Antonio Gilberto Costa; Colombo Celso Gaeta Tassinari; Monica da Costa Pereira Lavalle Heilbron; Hanna Jordt Evangelista
Subject: Rochas igneas  -- Teses; Tempo geologico -- Teses
Palavra-chave: Procrane; Magmatismo; Arco magmático
Date: 28-02-2013
Publisher: UFMG
Abstract: O estudo foi realizado no setor meridional do Orógeno Araçuaí e extremo norte do Orógeno Ribeira entre os paralelos 19° e 21°45S, abrangendo região que se distribui pelos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. O objetivo foi caracterizar do Complexo Pocrane, magmatismo básico mesoproterozóico e unidades neoproterozóicas do Sistema Araçuaí-Ribeira, com ênfase em geocronologia U-Pb (SHRIMP e LA-ICP-MS). O Complexo Pocrane é o foco principal dos estudos sobre o embasamento paleoproterozóico. Constitui uma unidade exclusivamente ortoderivada, composta de hornblenda-biotita gnaisse laminado a bandado, relativamente pouco migmatizado, com termos miloníticos retrometamorfizados. Comumente mostra porfiroclastos de plagioclásio e de agregados quartzo-feldspáticos com golfos de corrosão e/ou bordas serrilhadas, envoltos em matriz fina, além de feições em cristais de zircão que também sugerem corrosão magmática sugerindo que parte do Complexo Pocrane tem gênese vulcânico-vulcanoclástico. Estudo químicos indicam que as rochas deste complexo são peraluminosas a metaluminosas, predominantemente cálcio-alcalinas de médio a alto potássio, e subordinadamente toleíiticas. As grandes similaridades litoquímicas, isotópicas e geocronológicas, além da proximidade geográfica, justificam correlação entre os complexos Juiz de Fora e Pocrane. Neste contexto os complexos Juiz de Fora e Pocrane 15 formaram-se em ambiente de arco de ilhas com afinidade juvenil. Os complexos são contemporâneos (2.08 a 2.19 Ga), mas representam seções crustais diferentes: Pocrane engloba um conjunto mais raso, plutono-vulcânico, e Juiz de Fora plutônico. O magmatismo básico mesoproterozóico é representado por lentes anfibolíticas que ocorrem intercaladas ao gnaisse ortoderivado do Complexo Pocrane. O magmatismo básico marca dois eventos tafrogênicos relacionados a rifteamento continental; um durante o Calimiano outro no Esteniano. Ainda no Esteniano tem-se a deposição do Quartzito Córrego Ubá, interpretado como evidência de uma bacia precursora da Orogenia Brasiliana, no domínio do Arco Magmático Rio Doce; a idade máxima de deposição obtida para esta unidade foi de 1176 ± 21 Ma, sugerindo uma bacia relacionada ao evento distensivo esteniano. As unidades Neoproterozóicas que ocorrem na região da tese são relacionadas ao Arco Magmático Rio Doce, cuja porção plutônica é representada pela Supersuíte G1, que inclui granitos (s.l.), migmatitos e gnaisses, a biotita e hornblenda; além das rochas charnockíticas da Suíte Divino. O Grupo Rio Doce foi caracterizado como unidade metavulcano-sedimentar compondo as bacias relacionadas ao arco e rocha vulcânicas. A porção plutônica do arco é dada por suítes cálcio-alcalinas geradas em ambiente de margem continental ativa com forte envolvimento de crosta continental paleoproterozóica. As idades obtidas para as rochas da Supersuíte G1 variam entre 586 Ma e 621 Ma. A cobertura vulcano-sedimentar do Arco Rio Doce é representada pelo grupo homônimo. A Formação Palmital do Sul é composta por granada-biotita xisto interpretado como porção proximal do arco, cujo protólito seria pelito. A Formação São Tomé é composta por estaurolita-biotita xisto que representaria uma fase pouco mais distal do arco, com a diminuição da energia de sedimentação onde seriam depositados sedimentos silto-argilosos. A Formação João Pinto marca um aumento na energia de sedimentação que se dá em ambiente marinho plataformal em clima quente, propícia à deposição do quartzo arenito com intercalações de arenito micáceo e arcoseano. Depósitos piroclásticos representados por tufos ricos em fração lapilli, com bombas vulcânicas esparsas, representam edifícios vulcânicos explosivo, associados à deposição sedimentar do Grupo Rio Doce.
Resumo em lingue estrangeira: The study was conducted in the southern sector of the orogen Araçuaí and extreme north of Ribeira Orogen between parallels 19 ° and 21 ° 45'S, covering a region that is distributed by the states of Minas Gerais, Rio de Janeiro and Espirito Santo. The objective was to characterize the Pocrane Complex, Mesoproterozoic basic magmatism and Neoproterozoic units in the Ribeira-Araçuaí System, with emphasis on U-Pb geochronology (SHRIMP e LA-ICP-MS). The Pocrane Complex is the main focus of the Paleoproterozoic basement studies. It is an orthoderived unit composed of banded hornblende-biotite gneiss, relatively little migmatised with mylonitic terms. Commonly shows porphyroclasts of plagioclase and quartz-feldspathic aggregates with corrosion gulfs and / or jagged edges, wrapped in fine array, suggesting that part of the Pocrane Complex has volcanic -volcanoclastic genesis. Chemical study indicate that the rocks of this complex are peraluminous to metaluminous, predominantly calc-alkaline medium to high potassium, and subordinately tol heitic. The great chemical, isotopic and geochronological similarities, beyond geographic proximity, justify correlation between the Pocrane Complex and Juiz de For a Complex. In this context the Juiz de Fora Complex and Pocrane Complex formed in island arc environment. The complexes are contemporary (2,08 to 2,19 Ga), but represent different crustal sections: Pocrane encompasses a more shallow plutonic-volcanic, and Juiz de Fora is only plutonic. The Mesoproterozoic basic magmatism is represented by amphibolitic lenses that occur interspersed in the Pocrane Complex gneiss. The basic magmatism mark two taphrogenic events related to continental rifting; one during Calimian another in Estenian. Still in Esteniano has the deposition of Córrego Uba Quartzite, interpreted as evidence of a precursor basin of Brasiliana Orogeny in the field of Rio Doce Magmatic Arc, the maximum age of deposition for this unit was 1176 ± 21 Ma, suggesting a extensional basin related to the estenian event. The Neoproterozoic units that occur in the region of the thesis are related to the Rio Doce Magmatic Arc, whose plutonic portion is represented by G1 Supersuit, which includes granites (sl), migmatites and gneisses, with biotite and hornblende, and the charnockitic rocks of the Divino Suit. Rio Doce Group was characterized as metavolcano-sedimentary unit composed by arc-related basins and volcanic rock. The plutonic portion of the arc is given by calc-alkaline suites generated in active continental margin environment with strong involvement of Paleoproterozoic continental crust. The ages obtained for the rocks of G1 Supersuit vary between 586 Ma and 621 Ma. The volcano-sedimentary coverage is represented by the Rio Doce Group. Palmital do Sul Formation consists of garnet-biotite schist interpreted as proximal arch, which pelitic protolith. The São Tomé Formation consists of staurolite-biotite schist which represents a phase bit more distal of the arch, with decreasing of sedimentation energy where would be deposited silt-clay sediments. João Pinto Formation marks an increase in energy of sedimentation that occurs in the plataformal marine environment in hot weather, conducive to deposition of quartz sandstone interbedded with micaceous and arcosean sandstone. Pyroclastic deposits represented by tuffs rich in lapilli fraction, with sparse volcanic bombs represent explosive volcanic buildings, associated with the sedimentary deposition of the Rio Doce Group.
URI: http://hdl.handle.net/1843/MPBB-95LNHD

Files in this item

Files Size Format View
novo2013.pdf 13.74Mb PDF View/Open

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record