O efeito do posicionamento dos membros inferiores durante o movimento de sentado para de pé em hemiparéticos crônicos

Biblioteca Digital - UFMG

O efeito do posicionamento dos membros inferiores durante o movimento de sentado para de pé em hemiparéticos crônicos

Show full item record

Title: O efeito do posicionamento dos membros inferiores durante o movimento de sentado para de pé em hemiparéticos crônicos
Author: Ana Cristina Resende Camargos
Orientador: Fatima Valeria R de P L Goulart
Co-orientador: Luci Fuscaldi Teixeira Salmela
Banca:
Orientador: Fatima Valeria R de P L Goulart
Membro: Stella Maris Michaelsen; Renata Noce Kirkwood
Subject: Hemiplegia Fisioterapia Teses.; Acidentes vasculares cerebrais Complicações e sequelas Teses.; Eletromiografia Teses.; Membros inferiores Disturbios. Teses.
Palavra-chave: Sentado para de pé; hemiparesia; eletromiografia; fisioterapia
Date: 15-12-2006
Publisher: UFMG
Abstract: A fraqueza muscular contralateral à lesão é um dos problemas mais comuns de indivíduos que sofreram o Acidente Vascular Cerebral (AVC). Esses indivíduos apresentam dificuldade em realizar atividades funcionais como levantar da cadeira sem assistência. Durante o período de recuperação pós-AVC, a descarga de peso no membro inferior afetado (MIA) tende a ser espontaneamente evitada, prejudicando a realização do movimento de sentado para de pé (ST-DP) e, conseqüentemente, a independência do indivíduo. Existem distintas estratégias que podem ser utilizadas para favorecer a descarga de peso no MIA desses indivíduos durante o movimento de ST-DP. A modificação da posição do MIA para trás, por exemplo, é uma estratégia comumente utilizada na prática clínica, porém seu efeito em indivíduos hemiparéticos crônicos ainda foi pouco documentado na literatura. O objetivo desse estudo foi investigar o efeito de diferentes posicionamentos dos membros inferiores durante a atividade de ST-DP em indivíduos hemiparéticos crônicos utilizando quatro estratégias: (A) espontânea; (B) simétrica para trás; (C) assimétrica 1 e; (D) assimétrica 2. Participaram do estudo 12 hemiparéticos crônicos, com idade entre 60 e 80 anos e tempo pós-AVC entre um a 14 anos. Para caracterizar a amostra, foram avaliados a amplitude de movimento de dorsoflexão do tornozelo, a velocidade natural da marcha, o tônus muscular e o torque muscular isocinético dos músculos flexores e extensores do quadril, joelho e tornozelo bilateralmente. Durante o movimento de ST-DP, foram avaliadas a latência diferencial (LATDIF) e a quantificação eletromiográfica (QTEMG) dos músculos tibial anterior, sóleo (SOL), quadríceps e isquiossurais (IQS) do MIA, o tempo de movimento (TM), o tempo até a perda de contato com o assento, a simetria e o índice de elevação corporal (IEC) nas quatro estratégias. A ANOVA para medidas repetidas foi aplicada para investigar o efeito das estratégias B, C e D em relação à estratégia A. Quando comparados à estratégia A, o SOL apresentou maior LATDIF na estratégia D, os IQS tiveram menor QTEMG na estratégia B, o TM foi maior nas estratégias C e D e o IEC foi menor na estratégia D. A estratégia D pareceu ser menos favorável à realização do movimento uma vez que aumentou o TM e reduziu o IEC. A estratégia C não pode ser considerada mais ou menos favorável para os indivíduos estudados. Na estratégia B, houve menos necessidade de estabilização do joelho afetado e o TM foi semelhante à estratégia A. Dessa forma, as estratégias espontânea (A) e simétrica para trás (B) pareceram ser mais favoráveis ao desempenho do movimento de ST-DP nos hemiparéticos crônicos considerando, principalmente, as características de maior cronicidade e menor comprometimento funcional da amostra investigada.
Resumo em lingue estrangeira: Muscular weaknesses contralateral to the injury side are the most common problems of individuals who had suffered a stroke. These individuals have difficulty in performing functional activities, such as sit-to-stand (STS) from a chair without assistance. During the period of recovery from a stroke, the loading on the affected leg (AL) tends to be spontaneously avoided, leading to difficulties to accomplish the STS movement and, consequently, compromising the individuals independence. Distinct strategies can be used to favor the weight loading on the AL during the STS movement. For instance, the backward positioning of the AL is a strategy commonly employed in clinical practice, however; its effect in improving performance with chronic hemiparetic subjects is still lacking. Therefore, the aim of the present study was to investigate the effect of different positions of the lower limbs during the STS movement with chronic stroke subjects, by investigating four strategies: (A) spontaneous; (B) symmetrical; (C) asymmetrical-1; and (D) asymmetrical-2. Twelve chronic hemiparetic subjects participate, aged between 60 and 80 years and the time since onset of stroke between one and 14 years participated. The sample characteristics included assessment of the ankle range of motion, natural gait speed, muscle tone and bilateral isocinetic performance of flexor/extensors of the hip, knee and ankle. For the STS movement, the following outcome measures were investigated for the four strategies: the differential latency (DIFLAT) and the electromyographic activity (EMG) of the tibialis anterior, soleus, quadriceps and hamstring muscles of the AL, as well as the movement time, the time of seat-off, the symmetry, and the rise index. Repeated measures ANOVA followed by planned contrasts were employed to investigate the effect of the B, C, D strategies in relation to the A strategy. The results indicated that when compared with the A strategy, the soleus showed greater DIFLAT in the D strategy, the hamstrings had lower EMG in B strategy, the TM was greater in C and D strategies and the rise index was lower in the D strategy. Conclusions: The D strategy appeared to be less favorable to the accomplishment of the movement, since it increased the movement time and decreased the rise index. The C strategy appeared not to be advantageous, whereas the B strategy showed little need of stabilization of the affected knee and the movement time was similar to the A. The spontaneous (A) and the symmetrical (B) strategies appeared to be more favorable in improving the performance of the STS movement with chronic hemiparetic subjects with lower functional impairments.
URI: http://hdl.handle.net/1843/MSMR-72CG8W

Files in this item

Files Size Format View
disserta__o_ana_cristina_resende_camargos.pdf 674.5Kb PDF View/Open

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record