Vida e morte na Bahia colonial: sociedades festivas e rituais fúnebres

Biblioteca Digital - UFMG

Vida e morte na Bahia colonial: sociedades festivas e rituais fúnebres

Show full item record

Title: Vida e morte na Bahia colonial: sociedades festivas e rituais fúnebres
Author: Humberto Jose Fonseca
Orientador: Junia Ferreira Furtado
Banca:
Presidente: Junia Ferreira Furtado
Membro: Iris Kantor; Marco Antonio Silveira; Guiomar Maria de Grammont M. A. Souza; Avanete Pereira Sousa
Subject: História Teses.; Morte.; Elites (Ciências sociais); Funerais no Brasil História.; Brasil História.; Bahia Historia.
Palavra-chave: Bahia; Sociedade colonial
Date: 24-03-2006
Publisher: UFMG
Abstract: Analisamos as representações da vida e da morte na Bahia colonial, as ambigüidades e contradições da sociedade baiana dos séculos XVII e XVIII, tendo como pano de fundo o ideal de vida nobre e honrada das elites, as grandes festas promovidas pela Igreja, pelo Estado e pelas Confrarias, em meio à pobreza que caracterizava a população colonial e a violência que representava a escravidão africana. Estudamos o modo de vida das elites, as representações da morte e os rituais fúnebres, inserindo-os todos, religiosidade, ideal de nobreza e honra, as festas e a morte, no tempo longo das representações coletivas que se modelam ao longo dos séculos. Pretendemos, com isso, colaborar para melhor situar a importância histórica do fenômeno da sociabilidade, tanto pela morte quanto pela festa, em sua visão didática, como elemento de difusão de novos motivos condutores que nortearam a sociabilidade e a devoção nos séculos XVII e XVIII na Bahia, no fulcro do domínio de uma sensibilidade que chamamos barroca. Procuramos entender como se lançaram sobre a América portuguesa os rituais fúnebres barrocos, cercados de todo o esplendor e pompa, principalmente em se tratando dos rituais fúnebres ligados à família real, aos governadores e Vice-reis e às elites locais. Discutimos, ainda, como o sentido do dionisíaco, oprimido pelos exercícios da obediência civil e religiosa, acaba por infiltrar-se pelas dobras proporcionadas pelos eventos festivos, levando à carnavalização do barroco. Partimos, neste trabalho, de um pressuposto central: o de que na Bahia dos séculos XVII e XVIII estamos diante de uma sociedade barroca, elitista e hierarquizada. Uma sociedade cuja elite se caracterizava pela busca desenfreada da nobilitação, pela exposição fáustica dos símbolos de distinção de status, pela constante procura e exposição de poder e prestígio social. Tal comportamento acreditamos dever-se às pressões resultantes da consciência de instabilidade estamental das elites, ameaçadas principalmente por elementos que, embora discriminados socialmente por questões religiosas, ou pelo exercício de funções consideradas pouco nobres, ou ambas, como os comerciantes e cristãos-novos, uns sempre associados aos outros, possuíam características que permitiam ameaçar a hegemonia social das elites aristocráticas: A mesma cor da pele e muito cabedal, o que levaria, em meados do século XVIII, com o progresso econômico dos comerciantes e homens de negócio, a estarem eles completamente assimilados às elites locais.
URI: http://hdl.handle.net/1843/VGRO-6Y8M3B

Files in this item

Files Size Format View
tese_de_humberto_jos__fonseca.pdf 2.572Mb PDF View/Open

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record